Um planeta com cada vez menos vidas - Ecoo

Um planeta com cada vez menos vidas

0 7
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({ google_ad_client: "ca-pub-8192361229001083", enable_page_level_ads: true });

por  Eugenio Fernández Vázquez, consultor ambiental do Centro Mexicano de Especialistas e Gestão  Ambiental – 

MÉXICO (IPS) – As populações de animais vertebrados do mundo caíram 68% em 50 anos. A situação é grave na América Latina e no Caribe, onde há seis por cento do que existia há meio século. A perda deve-se principalmente à substituição de florestas, selvas e outros ecossistemas por plantações, minas ou terras utilizáveis. A segunda causa é sua caça, extração ou morte acidental.

O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) acaba de publicar seu relatório  Planeta Vivo  sobre o estado da biodiversidade na Terra.

O relatório apresenta os resultados do monitoramento de populações de cerca de 21.000 espécies de animais vertebrados – mamíferos, aves, peixes, répteis e anfíbios – e suas conclusões são verdadeiramente alarmantes.

O Índice Planeta Vivo, que reúne todas essas informações, mostra que nos últimos 50 anos as populações de vertebrados caíram  68% em  todo o mundo. A situação é especialmente terrível na América Latina e no Caribe, onde a abundância de vertebrados caiu para 6% em relação ao que era há meio século.

Talvez para alguns meio século pareça muito tempo, mas não é em termos naturais nem humanos. Basta lembrar que, há meio século, o atual chefe da Comissão Federal de Eletricidade, Manuel Bartlett Díaz, já era o diretor-geral de governo do Ministério do Interior do México.

Se, em termos humanos, esse período de tempo é realmente muito curto, em termos naturais é um instante, e a taxa de extinção registrada no relatório do WWF é tão terrível e repentina que não sabemos se a natureza será capaz de se recuperar, mesmo que a humanidade já está começando a trabalhar em marchas forçadas para restaurá-lo.

A  perda de populações de animais vertebrados  deve-se principalmente, em todas as regiões, a  mudanças no uso do solo , ou seja, à substituição de florestas, selvas e outros ecossistemas por lavouras, minas ou áreas urbanizáveis.

A segunda causa também é comum a todas as regiões, e é a  superexploração  de espécies, sua caça ou extração ou sua captura ou morte acidental, como pode ocorrer quando se quer pescar, por exemplo, atum, e além dessa espécie eles ficam presos redes tubarões e outros animais que inevitavelmente morrem no processo.

O relatório do WWF mostra variações significativas de região para região, embora todas mostrem uma tendência muito negativa no período analisado. Essas diferenças não devem levar ninguém a pensar que alguma região está fazendo as coisas bem. Em vez disso, essas diferenças indicam que há regiões onde as coisas eram muito malfeitas há algum tempo e agora pouco resta para destruir.

É o caso, por exemplo, da região da América do Norte, onde as populações de animais vertebrados diminuíram a um terço da taxa do resto do continente (uma redução de 33% de 1970 até hoje).

Não porque os parques nacionais nos Estados Unidos e no Canadá sejam um sucesso ou porque os americanos se preocupam muito com a biodiversidade (eles se importam tão pouco quanto o resto do mundo). Em vez disso, o que acontece é que esses países destruíram seu ambiente natural há décadas e agora as perdas que eles registram estão nas poucas terras que foram salvas. O mesmo é verdade na Europa.

Com todas as perspectivas terríveis, ainda há muito que pode ser feito, embora não vá acontecer se não forçarmos governos e empresas a fazê-lo.

No México, por exemplo, a mudança no uso da terra pode ser interrompida com a aplicação da lei. O uso sustentável dos recursos naturais pode ser promovido e a Comissão Nacional de Áreas Naturais Protegidas pode ser fortalecida  . Também é possível boicotar quem usa o dendê obtido à custa das selvas do sudeste mexicano e do mundo, por exemplo.

O histórico de governos anteriores e o que o atual governo fez, no entanto, deixam pouco espaço para otimismo.

Assim, o que é urgente é nos organizarmos em defesa da natureza – ou seja, de nós mesmos – e mostrar que é possível construir uma nova relação conosco e com o mundo. Que somente protegendo e restaurando a natureza podemos realmente sair da pobreza. A vida consiste em forçar os governos a seguir esse caminho e abandonar o caminho atual.

Este artigo foi publicado originalmente por Pie de Página , da rede mexicana Periodistas de A Pie.



Fonte

Deixar uma resposta