Inteligência artificial e segurança alimentar, o desafio da integração - Ecoo

Inteligência artificial e segurança alimentar, o desafio da integração

0 7

por Mario Lubetkin, Vice-Diretor Geral da FAO –  

A superação da exclusão digital por meio da aplicação das melhores práticas de inteligência artificial no campo da agricultura, para o enfrentamento da insegurança alimentar, é parte de um debate crescente que busca simultaneamente salvaguardar os recursos naturais e enfrentar as dificuldades geradas pelas mudanças no clima global, além das repercussões da pandemia de COVID-19.

Empresas de alta tecnologia como a norte-americana Microsoft e IBM, entidades como a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), além de referências éticas e espirituais como a Pontifícia Academia pela Vida, com sede na Cidade do Vaticano, têm juntado esforços nos últimos meses nessa direção.

Diretor Geral da FAO Qu Dongyu

A inteligência artificial pode desempenhar papel importante na transformação dos sistemas alimentares, apoiando algumas atividades humanas como plantio e colheita, aumentando a produtividade, melhorando as condições de trabalho e utilizando os recursos naturais de forma mais eficiente, através de uma melhor gestão do conhecimento e planejamento.

A inteligência artificial também começa a ser aplicada em áreas como robótica agrícola, monitoramento de solo e safra e análise preditiva. No contexto das mudanças climáticas, crescimento populacional e esgotamento dos recursos naturais, este avanço tecnológico também pode contribuir para a preservação dos solos e da água, o que adquire maior relevância no esforço para alcançar a segurança alimentar de forma sustentável.

“Estou convencido de que continuaremos a transformar nossos modelos de gestão para alimentar o mundo graças à agricultura digital”, disse o Diretor Geral da FAO Qu Dongyu, ao mesmo tempo que enfatizou que as tecnologias digitais “devem ser acessíveis a todos”.

Papa Francisco

O valor ético do desenvolvimento tecnológico tem sido objeto de atenção permanente do Papa Francisco. “Devemos alimentar todas as pessoas, mas não necessariamente todos devem comer do mesmo”, disse Dom Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida, acrescentando que a proteção da diversidade biológica (humana, vegetal e animal), “deve ocupar o centro das nossas atenções e devem orientar todo o processo, desde a fase ética do design até como são propostas e divulgadas nos diferentes contextos sociais e culturais ”.

Para o presidente da Microsoft, Brad Smith, “tecnologias de inteligência artificial e ferramentas de aprendizado de máquina serão especialmente úteis para para resolver os problemas da fome e insegurança alimentar, especialmente em um mundo que deve enfrentar as mudanças climáticas, pois podem prever problemas e responder com recursos críticos que ajudam a prevenir fomes futuras e salvar vidas ”.

Brad Smith, Presidente da Microsoft

Nesse sentido, segundo dados divulgados pela FAO, atualmente 690 milhões de pessoas passam fome e, com os efeitos do COVID-19, até o final de 2020 esse número poderia aumentar em mais 130 milhões.

John Kelly, vice-presidente da IBM, lembrou que “somente se colocarmos as pessoas, seus interesses e seus valores no centro de nosso pensamento sobre o futuro da tecnologia, poderemos emergir mais fortes diante dos desafios globais como a pandemia e a segurança alimentar”.

Em fevereiro deste ano, a Pontifícia Academia para a Vida, juntamente com a FAO, grandes empresas de tecnologia como Microsoft e IBM e governos como a Itália, lançaram um apelo para construir a ética da inteligência artificial com base em princípios de transparência e inclusão, para que estes sistemas sejam facilmente explicados e contemplem o ser humano, dando-lhes as melhores condições possíveis para se expressar e se desenvolver em um marco de imparcialidade, de forma a evitar que esses sistemas beneficiem apenas alguns.

John Kelly, vice-presidente da IBM

Para isso, é necessário superar a exclusão digital, o que significa que atualmente 6 bilhões de pessoas não possuem conexão de banda larga, 4 bilhões que não têm acesso à internet, 2 bilhões que não possuem celular e 400 milhões que não contam com sinal digital.

O uso de ferramentas de inteligência artificial faz parte da ação promovida por um importante grupo de países para o estabelecimento de uma Plataforma Internacional para Alimentação e Agricultura Digital, um Fórum de múltiplos atores para identificar e definir os possíveis benefícios e riscos da digitalização do setor alimentar e agrícola.

Em janeiro de 2020, 71 Ministros da Agricultura apoiaram formalmente esta iniciativa que promove a combinação dos Fóruns que se dedicam à agricultura com aqueles que focam sua atenção na economia digital. Por sua vez, pretendem apoiar governos e melhorar as práticas voluntárias e as diretrizes para a aplicação de tecnologias digitais na agricultura.

Na mesma direção, a FAO e o Google lançaram recentemente uma nova ferramenta de big data para produtores rurais e demais atores da área agrícola, que permite transmitir imagens de um satélite em tempo quase real com funcionalidade analítica de forma planetária para permitir a detecção , quantificação e monitoramento de mudanças e tendências na superfície do solo, simplificando o acesso a informações relevantes para pequenos produtores. (#Envolverde)



Fonte

Deixar uma resposta