América Latina precisa acabar com seus lixões - Ecoo

América Latina precisa acabar com seus lixões

0 7

PANAMÁ (IPS) – Mais de  2.700 toneladas  de lixo municipal por dia foram despejadas no Estrutural, o maior aterro a céu aberto da América Latina e Caribe, nos arredores de Brasília, capital do Brasil.

 

Durante a maior parte das cinco décadas de operação do aterro, os resíduos que chegavam não eram separados, tampados ou compactados, mas frequentemente queimados. O aterro não possuía sistemas de impermeabilização do solo e captação de gases.

Como resultado, gases tóxicos poluíram o ar e a água ao redor do aterro, afetando a saúde da população do entorno, principalmente dos 2.500 trabalhadores informais que sobreviveram com o que conseguiram retirar do aterro para revenda.

O aterro sanitário foi fechado em 2018 e substituído por instalações de reciclagem e um aterro mais distante da cidade.

Estima-se que essa medida evitará  pelo menos 70%  do 1,4 milhão de toneladas equivalentes de dióxido de carbono (CO 2 ) que o aterro teria gerado até 2050.

O destino de Estrutural reflete o de outros antigos aterros na América Latina e no Caribe.

Na última década, alguns dos aterros mais poluentes da região foram fechados, incluindo enormes instalações no Brasil, México e Nicarágua, uma política pública promovida por grupos ambientalistas.

O fechamento definitivo desse tipo de aterro é uma das principais ferramentas para conseguir ar limpo para todos.

Cerca de  40% dos resíduos mundiais  ainda são depositados em lixões abertos, principalmente em países em desenvolvimento.

Na América Latina e no Caribe, cerca de  145.000 toneladas  são destinadas todos os dias a esse tipo de lixão, onde a decomposição e queima de resíduos geram gases poderosos que poluem a atmosfera, causam graves danos à saúde humana e contribuem para as mudanças climáticas.

Lixo queimado é especialmente perigoso.

Essa atividade é uma das principais fontes na região de carbono negro, um componente-chave das  partículas ultrafinas de PM2.5 , que podem não apenas se alojar nos pulmões das pessoas, mas também entrar no sistema sanguíneo e aumentar o risco de doenças cardiovasculares. respiratório e câncer.

Estima-se que  330.000 mortes prematuras  nas Américas sejam atribuídas a cada ano à má qualidade do ar.

Os gases tóxicos que emanam dos lixões devido às queimadas afetam principalmente os trabalhadores, geralmente informais, que neles operam e muitas vezes vivem em seu perímetro.

Cerca de 250 famílias em extrema pobreza viviam dentro do enorme aterro sanitário “La Chureca” em Manágua, capital da Nicarágua, que foi fechado em 2016. As autoridades municipais documentaram doenças respiratórias graves nessa população e uma  redução da expectativa  de vida para 50 anos.

La Chureca era na época o maior lixão a céu aberto da América Central e podia receber mais de quatro milhões de m  de resíduos.

Hoje existe um aterro sanitário, uma usina de reciclagem e um amplo programa de inclusão social, que incluiu a construção de moradias para 258 famílias, novas oportunidades de trabalho e acesso a serviços de saúde.

Pessoas que trabalham em lixões a céu aberto também estão expostas às emissões de metano (CH 4 ) e dióxido de carbono (CO 2 ), que são gerados pela decomposição anaeróbia dos resíduos. Ambos são gases de efeito estufa, ou seja, causam mudanças climáticas.

O poder poluente do metano é até 28 vezes maior do que o do CO 2,  e o lixo pode continuar a emiti-lo mesmo anos após o fechamento de um aterro.

No que já foi o maior depósito de lixo da Cidade do México, Bordo Poniente, fechado em 2011, estima-se que cerca de 70 milhões de toneladas de resíduos permanecem enterrados.

Quando foi decidido fechá-lo, pensou-se em instalar uma usina de biogás para captar o metano produzido por aquele lixo, que poderia ter gerado 250 GWh, ou seja, energia suficiente  para iluminar 35 mil residências na megalópole . Mas a fábrica não foi construída.

Hoje existe uma instalação no local que produz cerca de 90.000 toneladas de composto por ano.

“Estima-se que se as tendências atuais continuarem, os lixões a céu aberto serão responsáveis ​​por entre 8 e 10% dos gases do efeito estufa em 2025”, disse Atilio Savino, editor-chefe do  relatório Perspective on Waste Management in America. América Latina e Caribe  do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), e ex-presidente da International Solid Waste Association (ISWA).

“Fechar esses aterros é a chave para enfrentar dois dos maiores desafios que a humanidade enfrenta agora: a crise climática e a pandemia covid-19”, enfatizou Savino.

A pandemia expôs a urgência da gestão sustentável dos resíduos, incluindo saúde e resíduos perigosos, para proteger a saúde humana e do planeta a longo prazo.

“Encontrar soluções inovadoras para reduzi-los, descartá-los adequadamente e aproveitá-los como parte de uma economia circular é fundamental nos  planos de recuperação pós-COVID-19  na América Latina e no Caribe, onde apenas 10% dos resíduos são reciclados”, disse Jordi Pon, coordenador Resíduos regionais, produtos químicos e qualidade do ar do PNUMA.

O PNUMA trabalha com os países na busca por essas soluções por meio da  Coalizão voluntária  de governos e organizações relevantes para o fechamento progressivo de lixões na América Latina e no Caribe, criada no âmbito do XXI Encontro do Fórum de Ministros do Meio Ambiente da América Latina e do Caribe em 2018.

As 17 nações que fazem parte da coalizão “concordaram em desenvolver um roteiro para o fechamento progressivo de aterros sanitários e a transição efetiva para a gestão abrangente de resíduos na região. Isso está de acordo com o objetivo de reconstruir melhor após a pandemia covid-19 ”, disse Jordi Pon.

Este artigo foi publicado originalmente pelo UNEP .

(IPS/Envolverde)



Fonte

Deixar uma resposta